sexta-feira, 2 de dezembro de 2011


Lendo esse texto do site http://odivaadellas.blogspot.com, me emocionei de montão. As meninas do site sempre têm as palavras certas pra cada assunto. Que dom de escrever elas têm. Como estou sempre acompanhando, vez ou outra compartilho com vocês aqui o que leio lá e convido todos a visitarem o site delas.

Como estou passando pela mesma coisa que a Cinthya, nossa, meus olhos se encheram de lágrimas. Sou mãe solo também, minha menininha de 5 meses tá dodói também, também tenho dormido muito pouco, estou com uma aparência péssima, dói ver minha menina tentando dormir, mas não conseguindo porque o nariz está obstruído. E ela chora de um lado e eu com o choro parado na garganta. Tudo isso: SOZINHA. O texto caiu como uma luva.






(by Cinthya)

Vida de Mãe Solteira não é fácil.  A gente vai tirando de letra, é fato. Mas sei que sequelas vão se aglomerando dentro de nosso emocional e a gente finda por moldar-se, mesmo que inconscientemente. De repente a gente se vê presa em pensamentos e atitudes que antes não condiziam conosco. A gente vai aprendendo a conhecer um lado da vida que antes era totalmente desconhecido. E você descobre nas pessoas a admiração por você e também o asco e o preconceito que muitos te lançam. E isso, por mais que a gente não dê bola, machuca e fica guardado em algum lugar aqui dentro.

Meu filho está dodói. Há duas noites eu não durmo bem, cuidando dele, verificando a temperatura, pondo remédio para desobstruir o nariz, tentando acalmá-lo. Pela manhã o deixo chorando: "Mãe, porque você tem que ir trabalhar? Por que você não fica pra cuidar de mim?". E saio. Com o coração despedaçado, mas com a certeza de que tenho que ir, tenho que ganhar o nosso pão.

No trabalho, poucas pessoas se importam se você está 100% ou 10%, o trabalho tem que ser feito e os resultados são cobrados. Você trabalha, cansada, sonolenta e preocupada, mas trabalha e consegue atender à demanda. Louca pra chegar em casa você se desmancha em zelos com o filho. Cuida, vê se a medicação foi ministrada corretamente, vai ao médico novamente, conta o dinheiro pra ver se dá pra comprar os demais remédios.

Você nem tem tempo pra chorar ou se sentir fraca. É tudo muito intenso e tudo sobrecai sobre você mesma. Então, não dá pra pensar muito. É agir ou agir. Não temos escolha. Se o filho chora, é você quem tem que acalentar, mesmo com o coração em pedaços, você tem que ser forte e acalentar. Se ele te pergunta "Mamãe, porque tá doendo?" é você quem tem que engolir à seco e procurar a melhor resposta para dar pra ele.

Quando enfim ele adormece nos seus braços você desmorona. É o único momento em que você pode chorar sem que ninguém veja. É o momento onde você sente o reflexo do peso das emoções do dia. É o momento no qual você se despe da roupa de Mulher Maravilha e chora como uma simples mortal.

Aí você olha pro filho, tão inocente, tão dependente de você e vê que a vida te deu um laço que nunca, em hipótese alguma será desfeito. Um amor tão grande e tão forte que chega a doer. Um misto de sensações de poder e impotência tomando conta do mesmo ser, ao mesmo tempo.

À todas as Mães em Carreira Solo (assim como eu), o meu abraço, o meu respeito e a minha admiração. E, que Deus proteja os nossos filhos.



0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

Receba atualizações no Email.

Pesquisar sobre

Quem sou eu

Minha foto
Aos 34 anos, sagitariana com ascendente em capricórnio (discordo, mas fazer o quê?!), do Rio de Janeiro (com louca vontade de morar num lugar tranquilo), estudante de psicologia (mas cheia de problemas de cabeça. rsrrsrsrs), mãe e pai da pequena Bia, de 5 anos. E esse blog fala da nossa trajetória, dos meus sentimentos, minhas muitas lamentações, etc.

Seguidores

Tecnologia do Blogger.