quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011



Ontem sentei no meio fio e chorei.
Foi um choro lá do fundo, soluçante, intenso, como há muito tempo não chorava. E cada vez mais me encho de ódio. Ódio daquele que me disse palavras tão bonitas e apaixonantes e agora some desse jeito. Choro porque, às vezes, eu rejeito esse bebê que de nada atem culpa e já está pagando pelos meus erros e escolhas. Não quero ter um filho sem pai. Não quero ter que passar esse sufoco, enquanto ele está vivendo da forma que quer... Não é justo!! Pro homem tudo é mais fácil, faz o filho, dá uma merda de pensão e depois? Só! E não adianta as pessoas falarem: Pensasse nisso na hora que tava fazendo o sexo. Mas eu não fiz filho de propósito, fiz sexo, tomando remédio e agora? Como remediar??

Chorei de cansaço, cansaço dessa vida, cansada das minhas escolhas, cansada de ser a boazinha enquanto as pessoas não estão nem aí pras outras e pensei que, quando sou egoísta, as pessoas me criticam, apontam logo os meus erros, mas quando alguém se preocupa comigo, a não ser minha mãe? E por que não posso ter meu grau de egoísmo, se é só isso que vejo as pessoas serem?


Não quero rejeitar meu filho. Por isso, choro. Não quero ter que arcar com conseqüências sozinha, como se eu tivesse descoberto a fórmula pra fazer um filho sozinha, sem uma outra pessoa compartilhando disso!!
Não quero!!! Chorei e queria chorar muito mais. Em alto e bom som, pra me desfazer de toda essa tristeza e decepção que tem aqui dentro.
Queria que esse choro fosse capaz de aniquilar todas as lembranças ‘”dele”, que me incomodam, que me vêm à cabeça toda hora, me torturando, me trazendo arrependimento e tristeza por essa rejeição ao meu bebê.
Isso tem que passar e depois quero vê-lo arrependido, sofrendo tanto quanto eu sofri, sentada naquele meio-fio.
Até agora meus olhos ainda tem lágrimas, meu peito ainda tem pranto, mas guardo pra mim, não quero fazer minha mãe mais preocupada ainda.

Enfim, dia 15 fui ao médico e ouvi o coração do meu bebê. Está tudo normal. Vou fazer ultra terça feira.

3 comentários:

  1. Tu estavas grávida nesta época? foi o choro de uma gravidez junto com o teu momento. Faz parte. Também chorei muito na gravidez mesmo ele sendo presente vez que outra no apartamento qu eue morava sozinha. Ele acompanhou toda a gravidez, mas em casa. pois ir ao médico, conhecer a minha família ele sempre foi receoso. E isto me fez sofrer mutias vezes. Amada, espero que tu estejas bem. Sabe, acredito muito no Kardecismo. Viemos pra este mundo pra resgatar algo que ficou lá no passado. E todos temos uma missão. eu encarei a minha barca de mãe e pai do João Vicente pois acreditei que esta era a minha missão. Lembre-se que a maior benção que tu poderias ter é ter uma filha com SAÚDE! Tem casos extremamente tristes que envolvem doenças... portanto, mude a ótica e enxergue assim. O resto tu vai ver que, com o tempo será só alegria!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. @satélite abduzidoJá estava grávida, sim, Fabi. E, infelizmente, não aceitava a gravidez ainda. Fui curtir minha gravidez completamente, depois de 6 meses. Antes disso, tinha muita vergonha de me tornar mãe solteira. As pessoas sempre me perguntavam: e o pai? E isso me doía profundamente. O ódio que eu sentia dele ter me abandonado grávida, não me deixava me entregar completamente à gravidez. Mas depois que relaxei e isso parou de me incomodar tanto, pelo apoio da minha família e amigos, foi muito revigorante pra mim. Hoje, não sei o que teria sido de mim se minha filha não chegasse. Deus faz hoje e a gente entende amanhã. Como você vê aí, eu sofria muito, queria sempre sumir, morrer, era infeliz, antes mesmo de conhecer o pai da minha filha. Então fui levando à frente toda essa infelicidade e insatisfação à frente. Mas depois que minha filha chegou, tudo mudou. Não tem aqui mais espaço pra depressão e Deus fez isso de caso pensado, como sempre!

    ResponderExcluir

Receba atualizações no Email.

Pesquisar sobre

Quem sou eu

Minha foto
Aos 34 anos, sagitariana com ascendente em capricórnio (discordo, mas fazer o quê?!), do Rio de Janeiro (com louca vontade de morar num lugar tranquilo), estudante de psicologia, mãe e pai da pequena Bia, de 5 anos. E esse blog fala da nossa trajetória.

Seguidores

Tecnologia do Blogger.