sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013


Não. eu não consegui o que queria. eu não queria nada. mas aconteceu. e depois eu queria ver que não estava sozinha. que o homem que um dia amei, ficasse do meu lado nas horas tristes, de choro, em que precisei dele. e que nas horas felizes, de orgulho, comemoração, entusiasmo, recompensa, ele também estivesse aqui. o que eu queria era que minha filha tivesse UM PAI que a amasse, ensinasse, que risse de suas gracinhas, que ajudasse a levantar quando ela caísse, brigasse quando necessário, parabenizasse, elogiasse, acompanhasse… o que eu queria era um marido ao meu lado, pra alisar minha barriga de grávida…. sentir o coração batendo descompassado ao ver a imagem do nosso bebê na ultrassonografia… chorar quando ouvisse o primeiro choro de nossa filha… sorrisse quando visse seu rostinho, tão parecido com o seu… 
putz! nossa filha não tem nada de mim fisicamente! é a sua cópia!! ela é tão divertida, alegre, sorridente, linda, tem um jeito tão meigo, uma simpatia… mas é tão teimosa, pirracenta, comilona. rsrsrs
eu não consegui o que queria, não. eu não queria te prender. eu não queria dinheiro. eu não queria que fosse assim. aconteceu. e hoje eu tenho a maior maravilha do mundo: a minha filha.
tudo bem. você não quer… vá. vá. continue aí, tão longe. viva a sua vidinha da forma que você desejar. se está feliz assim… vá. “a porta sempre esteve aberta.” ninguém te segurou. ninguém aqui fez nada pra te segurar. te prender. te ferrar. te fazer sofrer. mas você prefere pensar assim. então, vá! mas me deixe em paz. deixe meu nome quieto. não conte mais histórias sobre mim. não fale mais mentiras sobre mim. você não sabe o que eu senti, o que eu sinto. ninguém sabe. ninguém deveria me julgar. mas julgam. e eu não ligo pro que os outros dizem. mas eu ligo pro que você diz aí sobre mim. porque um dia, um dia, minha filha pode ouvir isso e se sentir triste. e o que estiver ao meu alcance pra evitar que minha filha se entristeça, eu farei. e sei também que muitas coisas vão ser inevitáveis. uma delas é o sentimento de rejeição que ela poderá sentir em relação a um pai que não a amou. isso eu não vou poder impedir. mas vou amá-la por nós dois. já a amo por nós dois. é um sentimento que não cabe no meu peito. rola pelos olhos. 
eu não consegui o que queria. eu não queria nada na época. apenas ser amada. apenas ter um amor sincero, honesto, carinhoso. e nada disso tive. pra que então inventar um laço que iria nos unir pra vida toda, contra sua vontade? não quero que ninguém fique comigo por pena, por obrigação. e você não seria um desses. não aceito migalhas de ninguém. já aceitei, não nego. mas eu cresci. cresci não na idade somente. cresci por dentro. as dificuldades nos fazem crescer, amadurecer, às vezes até esfriar, ensurdecer, entristecer, mas crescemos. de um jeito ou de outro.
o que importa agora é o que quero. quero viver em paz. quero o sorriso diário da minha menina. quero a felicidade estampada no rostinho sublime dela. quero suas gargalhadas mais gostosas. o carinho que ela tem sempre pra me dar. eu preciso dela e ela precisa de mim. nós precisamos de Deus, que nos fortalece. e junto estamos com a nossa família. nossa família que tem base, estrutura, A-MO-R. não é uma família onde as pessoas desconfiam das outras, onde há gente que não fala com gente. onde há homens negando filhos, pedindo DNA. claro, tem lá seus defeitos, já que é uma família formada de seres humanos. e seres humanos vivem errando. mas é uma família. e ela nos ajuda. estará por perto quando precisarmos. e acho que era isso que eu queria de você. somente. vá. vá. ou fique onde está. dá no mesmo…
NIVIA F.

10 comentários:

  1. Senti tudo isso sabe Ni?

    E espero de coração que vc supere e que a Bia seja seu único foco. E não digo isso por ter encontrado alguém... eu sou a mãe do Yuri, só eu o amo assim. E como vc, não posso exigir esse amor de ninguém!!

    Beijo!!

    ResponderExcluir
  2. A ferida ainda dói, né?
    O passar do tempo ajuda a sofrer menos....
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo Nivia, e acabei me encontrando em todas as suas descrições apesar de nossas historias serem diferentes mais em outros pontos tão iguais.. Parabens pela força e pela luta!! Acompanhe meu blog tbm
    http://maisalemdoarcoiris.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo Nivia, e acabei me encontrando em todas as suas descrições apesar de nossas historias serem diferentes mais em outros pontos tão iguais.. Parabens pela força e pela luta!! Acompanhe meu blog tbm
    http://maisalemdoarcoiris.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Amiga, encontrei por acaso seu blog pesuisando na internet sobre gravidez. Percebi pelas suas mensagens que você se sente constrangida pelo fato do pai da sua filha nao dar atençao a ela. Olha, por experiencia própria como mãe solteira de uma filha de 7 anos, posso lhe dizer seguradamente que o melhor e ignorar, fingir que ele nao existe e bola pra frente. Você tem apenas o ensino médio, então está na hora de fazer uma curso técnico ou uma faculdade a distância, tenta na universidade federal é gratuita. Pensa no futuro da sua filha aprimorando a sua formaçao profissional e enquanto ela e pequena vc pode fazer isso antes de retornar ao mercado de trabalho novamente. E sobretudo pensamento positivo, sua filha precisa disso e a sua mãe que está sobrecarregada de afazeres e reponsabilidades. Hoje estou casada novamente e muito feliz e posso dizer que filho nao me atrapalhou os estudos, a vida pessoal e nem mesmo a profissional. Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Ola, Nivia. Encontrei o seu blog atraves do Uniao das Blogueiras. Por trocar gentilezas e feed-back entrei aqui. E me identifiquei nao por mim mas por uma tia que ha mais de 30 anos foi mae solteira. Criou sozinha o filho, meu primao do coracao, e teve o total apoio dos amigos e familia. Na epoca foi um choque, mas depois todos se abituaram com a ideia ate porque o pai da crianca dizia que "aquela gravidez" era um erro em sua vida. Hoje em dia, o "pai" do meu primo, é casado ha mais de 20 anos e a sua esposa nao pode ter filhos. Ele tentou se aproximar, o meu primo o respeita mas nao participa da vida dele, ate porque, meu peimo o faz sempre lembrar do "erro". Pois é... Acho que para um pai que nao participa ou nao se importa o melhor é deixar o tempo passar e depois que ele vir a mulher linda que a sua filha ira se transformar, e isso somente merito seu, ele percebera o quanto perdeu. Pois acredito que o arrependimento sempre bate a nossa porta!!!!!!!!!! Sua filha é uma princesa. Viva pra ela. O teu principe vai chegar, ele esta vindo a caminho!!! Todo amor do mundo pra voces. Ah, esqueci tenho um blog tambem, mas neste momento deixou de ter importancia. Minha mensagem pra voce é mais importante! Beijao pras duas.. Elisa

    ResponderExcluir
  7. você sabe usar muito bem as palavras parabéns!
    eu também tenho um blog se estiver afim de visitar!
    http://adoravelestupidez.blogspot.com.br/
    Se gostar do meu blog e segui-lo me avisa que eu sigo todos de volta!
    é só deixar um comentário pedindo a retribuição :)
    beijos e sucesso

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante o texto eu tbn adoro escrever!rs
    linda parabéns pelo blog seguindo aqui se puder retribuir o favor e a visitinha:
    isadoradoria.blogspot.com.br
    bjs...

    ResponderExcluir
  9. Não sabe o quanto me identifiquei com teu post Nívia!!! Cada vez que olho o sorriso da minha filha penso: ela é só minha, pouco me importa a opinião do doador de esperma (pq foi só isso que ele foi).
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Olá , bom dia!

    Tudo bem?

    Achei seu blog e gostei muito. Já estou lhe seguindo.

    Espero que goste:

    Meu Blog: http://leide-lira.blogspot.com.br/


    Fan Page (Me curti lá!!): http://www.facebook.com/pages/Bolsinhas-de-uma-Leide/254377631336807

    Desde já agradeço por me aceitar.

    Fique com Deus.

    Abraço.

    Leide


    ResponderExcluir

Receba atualizações no Email.

Pesquisar sobre

Quem sou eu

Minha foto
Aos 34 anos, sagitariana com ascendente em capricórnio (discordo, mas fazer o quê?!), do Rio de Janeiro (com louca vontade de morar num lugar tranquilo), estudante de psicologia (mas cheia de problemas de cabeça. rsrrsrsrs), mãe e pai da pequena Bia, de 5 anos. E esse blog fala da nossa trajetória, dos meus sentimentos, minhas muitas lamentações, etc.

Seguidores

Tecnologia do Blogger.